Parque das Sequoias

Localizado em Canela, a dois quilômetros da Catedral de Pedra, o Parque das Sequoias é uma coleção de árvores da família das coníferas – árvores que possuem frutos em forma de cone -, trazidas de todos os continentes, para serem observadas e estudadas. Curt Mentz, o idealizador do parque, tinha como objetivo, testar espécies vegetais que pudessem substituir os pinheiros da região – muito explorados pelas madeireiras. Ou seja, desde o início a ideia não era servir como reflorestamento industrial, mas sim dar um cunho científico e cultural.

Setenta anos depois dos primeiros lotes de sementes plantadas na área, o parque converteu-se em uma das principais atrações da Serra Gaúcha, unindo conhecimento e entretenimento, lazer e aventura, em uma área de 10 hectares, com visitação aberta todos os dias e a possibilidade única de estar em contato com a natureza e admirar exemplares de diferentes espécies, em uma aula ao ar livre. Tudo isso mesmo que você não esteja hospedado em nossa pousada, já que o parque é aberto à visitação pública.

O Parque das Sequoias é considerado uma das maiores coleções de coníferas em todo o mundo, com árvores importantes no contexto cultural, destacando-se como o próprio nome do parque atesta, as sequoias. Quando atingem o ápice de sua vida – que pode ser de até 3.000 anos – as sequoias podem chegar a 120 metros de altura – o equivalente a um prédio de 40 andares – e ter até 15 metros de diâmetro. Aqui no parque, as sequoias mais antigas estão na casa dos 70 anos, mas algumas já tem cerca de 40 metros de altura e um diâmetro de um metro e meio.

Além das sequoias, uma espécie importante presente no parque é a metasequoia. Ela estava extinta até a década de 1940, quando cientistas conseguiram “recriá-la” a partir de sementes congeladas junto a mamutes, na China. Um cônsul inglês presenteou Curt Mentz com algumas sementes e esses exemplares podem ser vistos no parque. A espécie mais antiga ainda em vida sobre o planeta também pode ser encontrada no Parque das Sequoias, é a Ginkgo biloba, que é contemporânea dos dinossauros.

As espécies exóticas fazem companhia a uma imensa variedade de mata nativa, destacando-se os xaxins e a erva-mate, ingrediente tradicional no preparo da bebida gaúcha por excelência, o chimarrão. Durante sua estada na Serra Gaúcha, reserve uma hora para conhecer o Parque das Sequoias e conferir de perto a grandiosidade das árvores mais altas do mundo.

Segunda a Domingo
Das 09:00 às 11:30 e das 13:30 às 17:00 horas
Ingresso: R$ 10,00 (hóspedes não pagam)
Fone: (54) 3282-1373

A Pousada e o Parque das Sequoias estão localizados em uma grande área verde bem próximo ao centro da cidade. A partir da Catedral de Pedra, o caminho é todo sinalizado (indicações para “Parque das Sequoias”) e pode ser feito em menos de 5 minutos.

São várias trilhas para trekkings (caminhadas), bem como o cicloturismo com mountain bikes, ou simplesmente dormir numas das cabanas e curtir o som que a natureza proporciona dentro do parque.

O Parque das Sequoias tem 70 anos de história. Encravado em meio à mata nativa de Canela, na Serra Gaúcha, o parque é uma das maiores coleções de coníferas de todo o mundo, possuindo exemplares de sequoias.

Blog do Parque

Biscoitos de Sequoias

Desenvolvemos um amanteigado com as agulhas de sequoia, laranja e canela, que batizamos de Redwood Amanteigados. O Magical Sequoia mistura as agulhas com gengibre e pimenta da Jamaica, além de um pouco de chocolate ao leite. O Sequoia ao Chocolate além das agulhas e o chocolate, tem raspas e licor de laranja e baunilha. E o Duo Sequoia ao Chocolate e Castanha, com chocolate branco e castanhas de caju.

Chá de Sequoia

Pesquisando sobre as propriedades das Sequoias, descobrimos que os indígenas americanos para aumentar a imunidade para enfrentar o rigoroso inverno rigoroso faziam seus chás com agulhas de sequoias. As agulhas são ricas em vitamina C e contem agentes antimicrobianos que são ativos contra bactérias, vírus e fungos, facilitando a limpeza das vias aéreas.

Mais Banho de Floresta

Cientistas japoneses afirmam que ‘banho de floresta’ combate doenças
Em matéria do Globo Repórter, informa que o Japão certifica florestas como local de tratamento. A ideia é usar a medicina preventiva para reduzir gastos do sistema público de saúde.
Os cientistas defendem a ideia de que mesmo em uma sociedade moderna, em uma cidade grande, o nosso instinto ainda é o de viver em um estado mais natural. Sem isso, as pessoas sofrem!